Morte de universitária uruguaia teve ‘motivação espiritual’, afirma polícia

Do G1 PR, em Foz do Iguaçu:

O suspeito de ter assassinado a estudante uruguaia Martina Piazza Conde disse à polícia que a morte da estrangeira foi um “sacrifício espiritual”. Jeferson Diego Gonçalves, de 30 anos, foi interrogado pelo delegado de Homicídios, Marcos Araguari, na noite de segunda-feira (17), logo depois de ser transferido para a delegacia da Polícia Civil em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. Considerado foragido desde o dia 10, ele foi preso no sábado (15) pela Polícia Militar de Nova Laranjeiras, no centro-oeste, às margens da BR-277, a 260 km da fronteira.

No depoimento que durou quase três horas, Gonçalves confessou o homicídio, mas, segundo Araguari, contou histórias confusas e bastante contraditórias. O suspeito disse que foi aconselhado por um pai de santo a matar a estudante – o que lhe garantiria melhores condições de vida – e que pensou em desistir, mas retomou o plano inicial depois de ter sido agredido pela vítima. A perícia feita no local do crime, no entanto, não encontrou indícios de luta corporal. A morte teria sido uma oferta a um orixá do candomblé. Quando foi preso, o suspeito disse que estava indo a pé para cumprir uma promessa a Nossa Senhora do Rocio, em Paranaguá.

A uruguaia, estudante do curso de Antropologia da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) e sobrinha do Secretário Nacional Antidrogas do Uruguai, foi assassinada na madrugada do dia 3 de março no apartamento de amigos que estavam em viagem, e o corpo foi encontrado na noite de 6 de março. O laudo do Instituto Médico-Legal (IML) aponta que a estrangeira morreu em decorrência de asfixia mecânica provocada por “estrangulamento e enforcamento por fio elétrico”. Imagens do circuito interno de segurança mostram o momento em que ela e Gonçalves sobem as escadas do prédio, por volta das 4h30, em direção ao apartamento. Quase uma hora depois, ele aparece descendo sozinho, com a chave do imóvel na mão.

“Desde o momento que identificamos o suspeito, começamos a monitorar os familiares dele. E, as investigações indicam que depois de deixar o prédio ele foi para casa dormir e no dia seguinte procurou amigos para se aconselhar e decidiu fazer a viagem a pé e pegando carona. Ligações feitas de telefones públicos da região confirmam isso”, explicou o delegado chefe da 6ª Subdivisão de Polícia Civil de Foz do Iguaçu, Alexandre Macorin, logo depois de retornar à cidade com o suspeito, no início da noite de segunda-feira.

No fim da manhã desta terça-feira (18), o suspeito foi transferido para a Cadeia Pública Laudemir Neves. O inquérito policial deve ser concluído em no máximo dez dias e em seguida encaminhado à Justiça.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s