Assessoria peca e Dilma comete gafe

Por Mary Zaidan

Especialidades do ex-presidente Lula, criticar as elites, estimular e manter em alta o antagonismo entre ricos e pobres, sempre lhe valeram bons frutos. Como ninguém, Lula consegue com o mesmo gogó desancar e afagar os endinheirados. E ainda usufruir deles.

Mas essa habilidade de iludir o público, xingando aqueles que o patrocinam – a ele e ao PT – é única. Seria prudente, portanto, que Dilma Rousseff nem mesmo tentasse se arriscar nessa seara, sob pena de despencar no ridículo, como na sexta-feira, em Araguaína, no Tocantins.

Irritada com as vaias durante inauguração de um conjunto habitacional do Minha Casa Minha Vida, Dilma acusou os manifestantes de terem nascido “em berço esplêndido”. E extrapolou ao se referir ao cartão Minha Vida Melhor, que financia compra de eletrodomésticos, afirmando que só não valorizam o programa aqueles que “nunca tiveram de ralar, de trabalhar de sol a sol para comprar uma televisão, uma geladeira, uma cama, um colchão”.

O que Dilma não sabia – e ninguém contou a ela – é que o grosso dos apupos vinha de moradores do conjunto ao lado, entregue há dois anos pelo mesmo Minha Casa Minha Vida, já com rachaduras e sem equipamentos sociais.

Suas palavras agrediram pobres mais pobres do que os pobres que ela, durante a inauguração, dizia beneficiar.

Não satisfeita, também reagiu atabalhoadamente aos que protestavam contra o Mais Médicos, ao afirmar que antes do programa havia profissionais de saúde “somente para as camadas mais ricas”. Ou seja, até o segundo semestre do ano passado, o SUS de Dilma só atendia “ricos”. Um desrespeito absoluto aos milhões e milhões de brasileiros que dependem da saúde pública.

Ao que tudo indica, Dilma foi instruída a promover ao máximo a tática vitoriosa de Lula de rivalizar ricos e pobres. Mas Dilma não é Lula. E, sendo Dilma, confundiu todas as bolas.

Tropeços à parte, causa estranhamento a escolha dos marqueteiros pela desgastada aposta na luta de classes. Especialmente para uma candidata que lidera as pesquisas com larga margem de vantagem e um governo que se orgulha de ter promovido mais de 30 milhões de pessoas à condição de classe média. Ainda que a nova média – rendimento de R$ 301 a R$ 1.090,00 – esteja muito aquém de garantir o mínimo.

Sem saber onde colocar esse batalhão de gente, Dilma continuará animando a disputa entre pobres e menos pobres.

Como estratégia eleitoral, difícil crer que esse tipo de discurso tenha alguma serventia com a protagonista Dilma. Mas suas consequências vão além do fazer o diabo para vencer a eleição. Promovem e alimentam o ódio; criam divisões devastadoras, muitas vezes intransponíveis. Isso é tudo de que o Brasil não precisa.

Anúncios
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s