Assessoria peca e Dilma comete gafe

Por Mary Zaidan

Especialidades do ex-presidente Lula, criticar as elites, estimular e manter em alta o antagonismo entre ricos e pobres, sempre lhe valeram bons frutos. Como ninguém, Lula consegue com o mesmo gogó desancar e afagar os endinheirados. E ainda usufruir deles.

Mas essa habilidade de iludir o público, xingando aqueles que o patrocinam – a ele e ao PT – é única. Seria prudente, portanto, que Dilma Rousseff nem mesmo tentasse se arriscar nessa seara, sob pena de despencar no ridículo, como na sexta-feira, em Araguaína, no Tocantins.

Irritada com as vaias durante inauguração de um conjunto habitacional do Minha Casa Minha Vida, Dilma acusou os manifestantes de terem nascido “em berço esplêndido”. E extrapolou ao se referir ao cartão Minha Vida Melhor, que financia compra de eletrodomésticos, afirmando que só não valorizam o programa aqueles que “nunca tiveram de ralar, de trabalhar de sol a sol para comprar uma televisão, uma geladeira, uma cama, um colchão”.

O que Dilma não sabia – e ninguém contou a ela – é que o grosso dos apupos vinha de moradores do conjunto ao lado, entregue há dois anos pelo mesmo Minha Casa Minha Vida, já com rachaduras e sem equipamentos sociais.

Suas palavras agrediram pobres mais pobres do que os pobres que ela, durante a inauguração, dizia beneficiar.

Não satisfeita, também reagiu atabalhoadamente aos que protestavam contra o Mais Médicos, ao afirmar que antes do programa havia profissionais de saúde “somente para as camadas mais ricas”. Ou seja, até o segundo semestre do ano passado, o SUS de Dilma só atendia “ricos”. Um desrespeito absoluto aos milhões e milhões de brasileiros que dependem da saúde pública.

Ao que tudo indica, Dilma foi instruída a promover ao máximo a tática vitoriosa de Lula de rivalizar ricos e pobres. Mas Dilma não é Lula. E, sendo Dilma, confundiu todas as bolas.

Tropeços à parte, causa estranhamento a escolha dos marqueteiros pela desgastada aposta na luta de classes. Especialmente para uma candidata que lidera as pesquisas com larga margem de vantagem e um governo que se orgulha de ter promovido mais de 30 milhões de pessoas à condição de classe média. Ainda que a nova média – rendimento de R$ 301 a R$ 1.090,00 – esteja muito aquém de garantir o mínimo.

Sem saber onde colocar esse batalhão de gente, Dilma continuará animando a disputa entre pobres e menos pobres.

Como estratégia eleitoral, difícil crer que esse tipo de discurso tenha alguma serventia com a protagonista Dilma. Mas suas consequências vão além do fazer o diabo para vencer a eleição. Promovem e alimentam o ódio; criam divisões devastadoras, muitas vezes intransponíveis. Isso é tudo de que o Brasil não precisa.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s