Vendilhões? PT se aproxima de igrejas históricas e prega reconciliação (de novo!)

Gilberto Carvalho, que havia prometido disputa ideológica com televangelistas neopentecostais para expandir metas socialistas no Brasil, se reúne com líderes de igrejas protestantes históricas

JulioSevero
Em 2012 durante sua participação no Fórum Social de Porto Alegre, o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, falou em uma disputa ideológica com os televangelistas neopentecostais pela classe C da população brasileira.
Na época sua fala foi duramente criticada pelo senador Magno Malta e durante encontro com a bancada evangélica o ministro alegou que suas palavras foram “mal interpretadas.” Apesar de culpar a imprensa, Gilberto Carvalho negou-se a assinar um documento para confirmar que ele não atacou os televangelistas e sua influência no público da classe C.
Entretanto, incapaz de estabelecer um relacionamento mais sólido com esses televangelistas, na última quinta-feira (13 de março de 2014) Carvalho comandou uma reunião do governo do PT com líderes das igrejas históricas do Brasil. De acordo com o site oficial da Secretaria-Geral da Presidência da República via GospelPrime, participaram da reunião líderes da Igreja Evangélica Luterana do Brasil, Igreja Presbiteriana do Brasil, Igreja Metodista do Brasil, Igreja Presbiteriana Independente, Convenção Batista Nacional, Exército da Salvação, Igreja Presbiteriana Unida, Associação de Missões Transculturais do Brasil e da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE).
Gilberto+Carvalho+com+Uziel+e+outros+l%C3%ADderes+protestantes+tradicionais.png
“Queremos estimular diálogos e parcerias. Queremos que as igrejas, sem se partidarizar, possam ser uma voz mais ouvidas, e que assim sejam estimuladas a ampliar sua ação em benefício do nosso povo”, afirmou Carvalho.
Não é a primeira vez que Carvalho participa de uma reunião sobre parceria com igrejas históricas e prega reconciliação. Em 28 de fevereiro de 2013, ele se reuniu com Ariovaldo Ramos, juntamente com 70 líderes evangélicos da Aliança Evangélica, especialmente de igrejas protestantes históricas. No evento, realizado na Igreja Presbiteriana de Brasília, Ariovaldo disse: “Vamos apoiar as ações do Governo que favorecem o pequeno, o pobre… Queremos ser um instrumento de parceria.”
Depois dessa parceria com Ariovaldo e a Aliança Evangélica, não houve registro desses líderes cobrando do governo do PT suas campanhas obsessivas em prol do aborto e da agenda gay. Pelo contrário, a grande pressão contra essas campanhas veio exatamente de Silas Malafaia, Marco Feliciano e televangelistas neopentecostais, que são a grande preocupação de Carvalho.
O que se viu foi Ariovaldo, juntamente com muitos desses líderes protestantes tradicionais, assinando um manifesto contra a nomeação de Feliciano à presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. Por coincidência, o manifesto protestante contra Feliciano estava alinhado com os desejos de Carvalho, do governo do PT e de todas as esquerdas brasileiras.
Se tal parceria entre governo do PT e igrejas históricas significa oposição esquerdista estridente a pastores contra o aborto e a agenda gay, o manifesto de Ariovaldo foi um sucesso.
As igrejas históricas parecem não representar preocupação para Carvalho. Em dezembro de 2013, o CONIC, que é o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, publicou um manifesto pedindo a aprovação do PLC 122. Em março do mesmo ano, o CONIC repudiou publicamente a nomeação de Marco Feliciano à Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. Fazem parte do CONIC a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil e a Igreja Presbiteriana Unida — todas com alinhamento esquerdista.
Em que consistirá a nova parceria de Carvalho com as igrejas históricas? O tempo dirá. Mas o que o passado já disse é que alguns deles, no embate entre a esquerda e Feliciano, prefeririam se unir à oposição levantada pelo PT e outros socialistas.
Se o PT precisar de ajuda contra os televangelistas que estão mantendo a classe C fora do alcance da onipresente doutrinação socialista pró-aborto e pró-sodomia do governo, não estranhe novos manifestos “evangélicos” contra Malafaias, Felicianos e outros.
Se até a TV Globo, décadas atrás, precisou da parceria de um pastor presbiteriano para atacar os televangelistas, o que se dirá do PT? Afinal, parceria é para isso.
Com informações do GospelPrime.
Fonte: www.juliosevero.com

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s