Vacina contra o HPV divide não apenas mães evangélicas, mas também a comunidade científica, que aponta falh as graves no tratamento; Saiba mais

Vacina contra o HPV divide não apenas mães evangélicas, mas também a comunidade científica, que aponta falhas graves no tratamento; Saiba mais

O boicote de algumas mães evangélicas à campanha de vacinação contra o vírus HPV – que é sexualmente transmissível – cresceu e rendeu discussões nas redes sociais e motivou reportagens especiais de grandes veículos de comunicação.

A iniciativa das mães evangélicas em proibir que suas filhas, com idades a partir de 11 anos, fossem vacinadas contra o HPV se deu por motivos religiosos – o princípio de que o sexo deve ser praticado somente após o casamento e numa relação de fidelidade.

A ideia de que, seguindo esses preceitos, as meninas evangélicas estariam prevenidas contra a infecção pelo vírus HPV no entanto foi questionada por leitores do Gospel+: “Esquecem que as meninas vão crescer, mesmo que casem virgem, poderão se apaixonar por qualquer um, ainda mais na igreja evangélica, que tem ‘ex-tudo’ (viciados, traficantes, prostitutos e prostitutas, pessoas que já fizeram de tudo). Não precisa saber o resultado disto né? HPV é só uma das doenças, alem de hepatite B, HIV, etc…”, ponderou Paulo Teixeira.

A linha de raciocínio também foi seguida pela leitora Sara de Pinho, que observou um segundo cenário possível e que justificaria a vacinação: “Ok, a melhor forma de prevenir qualquer DST é a fidelidade no casamento, mas isso precisa partir dos dois. E se uma dessas meninas casa com um cara que nem sequer sabe que tem HPV? Não é tomar a vacina que vai fazê-las querer experimentar o novo, mas educá-las de forma consciente é que vai afastá-la de atitudes inconsequentes”, exemplificou.

Eficácia

No entanto, mesmo com o argumento do ponto de vista religioso sob questionamento, há outros complicadores que orbitam a vacina, que é oficialmente chamada de Gardasil. Especialistas apontam que a infecção pelo HPV pode acontecer mesmo sem a prática sexual, sendo necessário apenas o contato íntimo para a transmissão.

Além disso, existem aproximadamente 100 subtipos do HPV e a vacina é preventiva para a maioria deles, mas existem alguns que ainda são resistentes ao Gardasil, de acordo com informações da Folha de S. Paulo.

Outro fator que coloca em xeque a vacina contra o HPV é o fato de ela não ter efeito sobre pessoas que já tenham algum subtipo do vírus. O Gardasil só surtiria o efeito de proteger a paciente dos subtipos pelos quais ela ainda não tivesse sido infectada, de acordo com o médico de família e comunidade Rodrigo Lima, que apresentou pontos questionáveis sobre o assunto durante o Congresso de Prevenção Quartenária no último mês de novembro.

Prevenção

O principal argumento a favor da vacinação contra o HPV é que, com a vacina, as meninas estaria protegidas contra a maioria dos subtipos do vírus, e com isso, evitariam a chance de formação de câncer de colo do útero.

No entanto, o câncer de colo do útero pode surgir por outros fatores, e sua evolução é considerada muito lenta pelos especialistas, pois leva em torno de dez anos e, através do papanicolau – indicado para mulheres entre 25 a 64 anos – é possível detectar fases precursoras do câncer, independentemente se a origem for a contaminação pelo HPV ou qualquer outro fator.

É consenso na comunidade médica que a vacina contra o HPV não exclui a necessidade de realização do exame papanicolau para a prevenção correta do câncer.

Efeitos colaterais

Já existem registros ao redor do mundo de casos de doenças graves atribuídas à vacina contra o HPV, como a síndrome de Guillain-Barré, falência ovariana e uveítes, além da ocorrência de convulsões e desmaios após a vacinação.

Uma adolescente norte-americana gravou um vídeo relatando as complicações que teve após ser submetida à Gardasil como prevenção ao HPV. Ela revela que toda sua vida social foi arruinada por conta das fortes dores musculares e desmaios constantes, além da insensibilidade nas pernas em alguns momentos e de erupções na pele.

Como consequência das complicações, agora a jovem – antes saudável – precisa de acompanhamento médico constante e de diversas doses de remédio que minimizam os efeitos colaterais da vacina. Assista:

https://www.youtube.com/watch?v=oTuN7DRlBKI&feature=player_embedded

Redes Sociais

Alguns internautas reunidos em grupos de discussão sobre saúde familiar compartilham links de estudos e reportagens em inglês sobre casos relacionados com o Gardasil. Numa dessas matérias, a doutora Sherrill Sellman fala ao portal I Health Tube sobre os vários complicadores da vacina contra o HPV.

Sellman diz que foram encontradas amostras com o virus HPV vivo nas vacinas que foram analisados em 17 países. O princípio das vacinas é que o vírus contra o qual elas devem proteger o organismo tem que estar morto. Há pouco tempo o Japão cancelou a distribuição da vacina devido aos efeitos adversos graves que afetaram a população.

Foram encontrados ainda traços de alumínio m amostras do Gardasil. A presença de alumínio no organismo pode causar inflamação no cérebro, e evoluir para uma infecção generalizada, resultando em perda de energia, habilidade de pensar, entre outros.

Entre outros pontos questionáveis levantados pela doutora Sherril Sellman estão o fato de que foram registrados casos de jovens diagnosticadas com câncer cervical logo após terem sido vacinadas. Há ainda o fato de que nenhum estudo sobre os efeitos da vacina a longo prazo foi produzido pela comunidade científica.

Links

Nos Estados Unidos existe um site onde adolescentes vítimas da vacina tentam explicar sobre os perigos: http://truthaboutgardasil.org/

No Brasil foi criado um grupo no Facebook falando sobre: https://www.facebook.com/groups/contravacinahpv/

Muitas dúvidas sobre a vacina ainda não foram respondidas pelos pesquisadores, e as questões sobre permitir ou não que adolescentes – evangélicas ou não – sejam vacinadas contra o HPV com doses de Gardasil são muitas e complexas.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s