Suíça envia cartão de conta de Marinho

A Tarde

a-tribunal-de-contas-robson-marinho.jpg

A Suíça enviou aos investigadores brasileiros cópia do cartão de abertura da conta secreta em Genebra do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Robson Riedel Marinho, ex-chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB). Nessa conta, numerada 17321-1, do Credit Lyonnais Suísse – Credit Agricole, o conselheiro recebeu US$ 1,1 milhão, de acordo com o Ministério Público Federal.

Os investigadores classificam como "revelador" o documento bancário, uma das mais importantes provas já surgidas contra Marinho na apuração do esquema montado pela empresa francesa Alstom. O conselheiro tem negado reiteradamente possuir ativos no exterior.

A suspeita do Ministério Público é de que o dinheiro encontrado na conta foi resultado de propina na área de energia do Estado, entre outubro de 1998 e dezembro de 2002, nos governos Covas e Geraldo Alckmin (PSDB).

Marinho abriu a conta secreta por correspondência, sem sair de São Paulo, informam os investigadores. O cartão foi preenchido de próprio punho pelo conselheiro no dia 13 de março de 1998. No campo destinado às assinaturas aparecem, por extenso, os nomes dele e da mulher, Maria Lucia de Oliveira Marinho, como titulares.

Posteriormente, segundo os registros da instituição financeira suíça, assumiu a titularidade da conta a offshore Higgins Finance Ltda. Marinho recebeu, em janeiro de 1998, o direito de uso dessa empresa, constituída nas Ilhas Virgens Britânicas. Os investigadores descobriram, inicialmente, a conta em nome da offshore e só agora conseguiram a prova que liga o conselheiro diretamente aos valores. Na época em que abriu a conta, Marinho já havia assumido o cargo no TCE, no qual tomou posse em 1997 por indicação de seu padrinho político, Covas, logo após deixar a Casa Civil.

A suspeita sobre ele tem base em julgamento que favoreceu a Alstom do Brasil. Em novembro de 2001, Marinho decidiu pela regularidade de um contrato da hoje extinta estatal Empresa Paulista de Transmissão de Energia (EPTE) com a Alstom que previa a extensão da garantia de equipamentos que a multinacional forneceria para três subestações de energia.

Os equipamentos foram contratados em 1998 por um aditivo de um contrato, conhecido como Gisel, que fora firmado em 1983. É no âmbito desse aditivo de contrato que a Alstom é acusada de pagar propina.

Como os equipamentos ficaram prontos, mas as obras civis das subestações não, eles teriam de ficar guardados na França e demorariam mais para entrar em uso. A EPTE argumentou que, por causa disso, uma extensão da garantia era necessária.

A estatal de energia dispensou licitação para contratar a garantia. Marinho deu aval após analisar por três meses o caso, quando a média do TCE era de cinco anos. Para os procuradores que investigam o caso, não apenas o tempo de análise, mas a aprovação de uma dispensa de licitação que não poderia ter sido autorizada, a bem da competitividade, comprovam que "restou apurado o pagamento de vantagens ilícitas para que o Tribunal de Contas aprovasse a inexigibilidade da licitação".

Em fevereiro, a Justiça Federal abriu ação penal contra outros 11 denunciados no caso Alstom, entre lobistas, executivos e ex-dirigentes da EPTE. A empresa teria oferecido a eles R$ 23,3 milhões em "comissões" para viabilizar o contrato. Por ter foro privilegiado, Marinho é investigado no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Fontes

Outros documentos enviados pela Procuradoria da Suíça revelam as fontes que abasteceram a conta do conselheiro. Oito transferências, somando US$ 953,69 mil, entre 1998 e 2005, foram realizadas pelo empresário Sabino Indelicato, denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Um primeiro repasse foi feito em 19 de junho de 1998, no valor de US$ 326,13 mil. Em 2005, foram feitos dois depósitos, um no dia 28 de fevereiro (US$ 242,96 mil) e outro em 15 de março (US$ 121,52 mil). Indelicato é apontado pela Procuradoria como pagador de propinas do caso Alstom. Ele foi secretário de Obras da gestão Robson Marinho como prefeito de São José dos Campos (SP), nos anos 1980.

O empresário controla a Acqua Lux Engenharia, que captou a quantia de R$ 2,21 milhões de coligadas da multinacional, por serviços fictícios de consultoria, segundo os investigadores. Laudo financeiro da Polícia Federal indica que a Acqua Lux repassou R$ 1,84 milhão para a conta pessoal de Indelicato, no Credit Lyonnais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s