Bitcoin paira entre a revolução e o risco

GAZETA DO POVO

David MacNew/ Reuters

David MacNew/ Reuters / Nakamoto, suposto criador da moeda virtual, foi “revelado” pela Newsweek na semana passada
Nakamoto, suposto criador da moeda virtual, foi “revelado” pela Newsweek na semana passada

Apontado por alguns como uma revolução financeira, sistema ainda é alvo de desconfiança e quase não cumpre seu papel de moeda

Na semana em que uma das maiores casas de câmbio de bitcoins entrou com pedido de concordata e que o suposto criador da moeda virtual foi encontrado depois de viver seis anos em completo anonimato, o futuro dos bitcoins é colocado em xeque por especialistas e investidores. Se por um lado o sistema é apontado como uma das maiores revoluções financeiras das últimas décadas, o excesso de especulação e a falta de um lastro real ainda geram uma série de incertezas.

INFOGRÁFICO: Entenda como funciona o bitcoin

Em 28 de fevereiro, umas das maiores empresas ligadas ao mercado de bitcoins sofreu um ataque hacker que fez evaporar meio bilhão de dólares em BTCs (unidade da moeda virtual). Seis dias mais tarde, a revista americana Newsweek publicou uma matéria dizendo ter encontrado o criador do sistema criptografado de bitcoins. Até então, acreditava-se que Satoshi Nakamoto era apenas o nome adotado por uma legião de hackers criadores da tecnologia da nova moeda, ou então que era uma organização controlada por gigantes da tecnologia e que o nome adotado era a fusão das marcas Samsung, Toshiba, Nakamichi e Motorola. Nesse meio tempo, a CEO da primeira plataforma de bitcoins foi encontrada morta em Cingapura, sob suspeita de suicídio.

Mesmo com a série de incidentes sinistros recentes, a plataforma ganha mais campo e adeptos a cada dia. “É um sistema revolucionário. Talvez seja a grande inovação na economia desde a invenção do cartão de crédito”, afirma Bernardo Quintão, fundador da startup curitibana BitWiFi, que trabalha com a moeda virtual.

Segundo ele, o grande legado do bitcoin é o desenvolvimento de um sistema inviolável e ágil de transferência de moeda sem custos. “É impossível dizer hoje a dimensão que isso vai ter um dia, mas o bitcoin está para o dinheiro como o e-mail está para a carta. Ele veio para ficar”, afirma.

A adesão, mesmo com futuro nebuloso, é crescente. O governo alemão autorizou que sejam feitas transações privadas com a moeda e o ex-presidente do Fed (banco central americano) Ben Bernanke reconheceu que o sistema tem potencial para dominar o e-commerce em alguns anos.

O grande risco, por enquanto, gira em torno do valor do bitcoin – e a bolha criada pelos seus investidores. “Não recomendo a ninguém que invista um apartamento nisso, por exemplo. Mesmo com um sistema aparentemente sólido, neste momento seria uma loucura”, afirma o consultor de investimentos Armando Gotardi, em referência ao programador de Santos (SP) que colocou seu apartamento de R$ 250 mil a venda, mas só aceita bitcoins em troca.

No momento, o problema do bitcoin é que ainda cumpre pouco seu papel como moeda. Seu uso se restringe aos poucos lugares que o aceitam e em transações entre usuários adeptos do sistema. “Eu diria que este ainda é um sistema em desenvolvimento. Neste momento, é uma irresponsabilidade comprar uma grande quantia em bitcoins”, pondera Quintão, que também é sócio de uma boutique de investimentos.

Anonimato de bancos e bolsas divide especialistas

A falta de informações sobre os principais operadores de bitcoins no mundo é um dos pontos de maior discordância entre a comunidade de investidores e especialistas sobre a moeda virtual.

Para Jorge Stolfi, professor de Ciência da Computação da Unicamp, a falta de transparência tira a credibilidade do sistema virtual. “O modelo é incontestavelmente sólido, mas a gerência das instituições que operam as bitcoins não passa credibilidade”, diz ele, que é PhD em banco de dados pela Universidade de Stanford, da California.

Segundo Stolfi, as principais bolsas da moeda virtual têm origem obscura. “A Bitstamp é da Eslovênia, mas inexplicavelmente tem registro em Londres, e a BTC-e é da Bulgária, mas pertencente a dois russos completamente anônimos”, completa.

O fundador da startup BitWiFi, Bernardo Quintão, acredita que isso não é um problema. “Ninguém que tiver bitcoins precisa investir numa bolsa. Basta guardar no seu próprio computador”, explica.

info_01_090314.png

Especulação

Procura chinesa gerou bolha no fim de 2013

O ganho de popularidade dos bitcoins e a possibilidade de gerir contas anônimas resultou em uma corrida de investidores chineses em busca da moeda virtual. A procura fez a cotação disparar e o valor de um BTC saltou de US$ 100 em abril para mais de US$ 1,1 mil em dezembro. Hoje, os chineses são responsáveis por mais de dois terços de toda a movimentação mundial da moeda.

A bolha imobiliária nos grandes centros chineses e o controle governamental sobre o câmbio também levou os investidores locais a arriscarem suas economias nos bitcoins. Para tentar conter o movimento, o governo chinês proibiu negociações em bitcoins. “Sem poder usar a moeda no mercado real, ela virou objeto exclusivamente de especulação por lá”, explica o consultor de investimentos Armando Gotardi.

A valorização, no entanto, não se manteve tão forte. Nos meses seguintes, a moeda passou a oscilar e agora está cotada em US$ 600. “A valorização foi muito rápida, mas é impossível dizer qual será seu comportamento no futuro próximo. Muitos investidores já perderam bastante dinheiro”, diz Jorge Stolfi, professor de Ciência da Computação da Unicamp.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s