Senadores destacam compromisso de Sérgio Guerra com o diálogo e a conciliação

Da Redação

Suspensa em razão da morte do deputado Sérgio Guerra (PSDB-PE), a sessão do Senado desta quinta-feira (6) foi marcada por homenagens ao político. Durante os 40 minutos anteriores à suspensão, senadores falaram sobre a trajetória política e sobre a disposição para o diálogo que Guerra sempre demonstrou.

– Ele viveu para a arte da política, um conciliador emérito – afirmou o senador Alvaro Dias (PSDB-PR), após destacar o compromisso do deputado com o país.

Guerra, que lutava contra um câncer de pulmão, morreu na manhã desta quinta-feira (6), no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Um dos fundadores do PSDB, o deputado também foi presidente nacional do partido e atualmente presidia o Instituto Teotônio Vilela. Durante sua vida política, o tucano destacou-se, ainda, na luta pela redemocratização.

A principal característica lembrada pelo senador Gim (PTB-DF) foi a palavra de Guerra, sua disposição para cumprir os acordos. Assim como Paulo Paim (PT-RS), Gim também destacou as firmes convicções do político de Pernambuco.

– Ele defendia as posições acordadas com todos. E esse é um perfil que é muito bom no mundo da política. Ele realmente era um político com ‘P’ maiúsculo – afirmou.

Para Valdir Raupp (PMDB-RO), embora tenha morrido prematuramente, Sérgio Guerra deixou um “longo rol de serviços prestados ao país”. Raupp enumerou, entre as qualidades de Sérgio Guerra, sua dedicação ao interesse público e à defesa da transparência. Raupp também destacou sua abertura ao diálogo e capacidade de articulação.

– Sempre se revelou um ser humano de espírito ativo, mas conciliador. A política brasileira perde um grande lutador, um homem que defendeu o melhor para Pernambuco e para o Brasil, sempre em prol de projetos que visassem a melhorar a vida do povo do nosso país – afirmou.

Jorge Viana (PT-AC) e Ana Amélia (PP-RS) também lembraram a convivência com Guerra. Viana relatou tê-lo encontrado no hospital, esperançoso de vencer sua luta contra a doença. Já Ana Amélia (PP-RS) recordou as oportunidades em que o entrevistou, quando trabalhava como jornalista, e constatou sua visão clara da política, da história e da cultura do país.

– Eu queria lembrar que hoje há uma unanimidade, não porque ele morreu, mas porque há um reconhecimento do papel que Sérgio Guerra desempenhou na política brasileira – declarou a senadora.

Eduardo Suplicy (PT-SP), por sua vez, lembrou da relação "construtiva e respeitosa” construída nos anos em que conviveu com Guerra no Senado. Assim como vários de seus colegas, o senador exaltou o espírito harmonizador do deputado pernambucano.

Já Paulo Paim classificou o deputado como um dos maiores líderes da história do PSDB. O senador disse ter muito respeito por Sérgio Guerra, "um homem público capaz de cumprir acordos" e lamentou a perda para o país.

– Sérgio Guerra se foi, mas seus ideais, seus pensamentos, com certeza, ficam para a reflexão de todos nós – disse Paim.

Em nota, os senadores Ruben Figueiró (PSDB-MS) e Ataídes Oliveira (PROS – TO) também lamentaram a morte do líder tucano. Figueiró salientou que sua morte será sentida não só em Pernambuco, mas em todo o Brasil. Já Ataídes disse que o deputado ainda tinha muito a fazer pela política nacional.

Agência Senado

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s