Greve de ônibus acaba em Curitiba e ônibus voltam a circular normalmente

Banda B
greve-aceita

Por Elizangela Jubanski e Juliano Cunha

A greve de ônibus em Curitiba e região chegou ao fim na manhã deste sábado (1º). Motoristas e cobradores aceitaram a proposta feita em audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) na noite de ontem. A decisão aconteceu por volta das 11h20, na Praça Rui Barbosa, no Centro de Curitiba, e a assembleia reuniu cerca de 300 trabalhadores. A proposta que a categoria aceitou foi um reajuste de 5,26% no INPC mais 3,82%, totalizando 9,28% de aumento real; abono de R$ 300 e reajuste de 10,5% no valor da cesta básica.

O reajuste será retroativo a data-base da categoria: 1º de fevereiro. A proposta do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT-9), anunciada pela desembargadora Ana Carolina Zaina, teve o aval do governo municipal e do sindicato patronal. A proposta foi aprovada pela maioria dos trabalhadores na assembleia.

Impactos

A paralisação das atividades dos motoristas e cobradores começou a zero hora de quarta-feira (26). O primeiro dia contou com a adesão de todos os trabalhadores. Alguns passageiros desavisados se aglomeraram nos pontos de ônibus, mas depois de cerca 40 minutos a espera de um ônibus, eles tiveram de retornar. Sem ter como ir ao trabalho, muitos funcionários não cumpriram o expediente nos comércios. Com isso, muitas lojas e escritórios amanheceram fechados. A greve intensificou o trânsito em todos os pontos da cidade. Em horário de rush, os motoristas enfrentaram pontos de congestionamentos em avenidas e ruas que ligam os bairros ao centro.

Por determinação da Justiça, o segundo dia de greve teve 40% do efetivo, depois estendido para 50%, de ônibus rodando nas ruas, cumprindo a determinação: metade da frota nos horários de pico e 30% nos demais horários No entanto, manifestações e piquetes diminuíram ainda mais esse número de ônibus. Comércio e trânsito também foram afetados no segundo dia. Já nesta sexta-feira, efetivamente, metade da frota dos ônibus do transporte público de Curitiba estava nas ruas e minimizou o impacto da greve.

Todas as centrais de táxi congestionaram durante a greve. A frota de táxi em Curitiba é de cerca de 2,2 mil carros e a espera por um carro chegava a 50 minutos.

Negociações

Inicialmente, o Sindimoc pediu um reajuste salarial 16% para os motoristas e 22% para os cobradores. O setor patronal, no entanto, ofereceu um reajuste de 5,26%. Em uma reunião durante o processo de negociação, o Tribunal Regional do Trabalho propôs que os sindicatos patronal e dos trabalhadores discutissem um reajuste de 10,5%. Esse valor foi aceitado pelos motoristas e cobradores, mas negado pelas empresas. Outra negociação em juízo na tarde de sexta fez com a categoria e as empresas aceitassem um reajuste de 9,28%. Esse índice, com abono e aumento de cesta básica foi aceitado pelos motoristas e cobradores.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s