Greve de ônibus acaba em Curitiba e ônibus voltam a circular normalmente

Banda B
greve-aceita

Por Elizangela Jubanski e Juliano Cunha

A greve de ônibus em Curitiba e região chegou ao fim na manhã deste sábado (1º). Motoristas e cobradores aceitaram a proposta feita em audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) na noite de ontem. A decisão aconteceu por volta das 11h20, na Praça Rui Barbosa, no Centro de Curitiba, e a assembleia reuniu cerca de 300 trabalhadores. A proposta que a categoria aceitou foi um reajuste de 5,26% no INPC mais 3,82%, totalizando 9,28% de aumento real; abono de R$ 300 e reajuste de 10,5% no valor da cesta básica.

O reajuste será retroativo a data-base da categoria: 1º de fevereiro. A proposta do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT-9), anunciada pela desembargadora Ana Carolina Zaina, teve o aval do governo municipal e do sindicato patronal. A proposta foi aprovada pela maioria dos trabalhadores na assembleia.

Impactos

A paralisação das atividades dos motoristas e cobradores começou a zero hora de quarta-feira (26). O primeiro dia contou com a adesão de todos os trabalhadores. Alguns passageiros desavisados se aglomeraram nos pontos de ônibus, mas depois de cerca 40 minutos a espera de um ônibus, eles tiveram de retornar. Sem ter como ir ao trabalho, muitos funcionários não cumpriram o expediente nos comércios. Com isso, muitas lojas e escritórios amanheceram fechados. A greve intensificou o trânsito em todos os pontos da cidade. Em horário de rush, os motoristas enfrentaram pontos de congestionamentos em avenidas e ruas que ligam os bairros ao centro.

Por determinação da Justiça, o segundo dia de greve teve 40% do efetivo, depois estendido para 50%, de ônibus rodando nas ruas, cumprindo a determinação: metade da frota nos horários de pico e 30% nos demais horários No entanto, manifestações e piquetes diminuíram ainda mais esse número de ônibus. Comércio e trânsito também foram afetados no segundo dia. Já nesta sexta-feira, efetivamente, metade da frota dos ônibus do transporte público de Curitiba estava nas ruas e minimizou o impacto da greve.

Todas as centrais de táxi congestionaram durante a greve. A frota de táxi em Curitiba é de cerca de 2,2 mil carros e a espera por um carro chegava a 50 minutos.

Negociações

Inicialmente, o Sindimoc pediu um reajuste salarial 16% para os motoristas e 22% para os cobradores. O setor patronal, no entanto, ofereceu um reajuste de 5,26%. Em uma reunião durante o processo de negociação, o Tribunal Regional do Trabalho propôs que os sindicatos patronal e dos trabalhadores discutissem um reajuste de 10,5%. Esse valor foi aceitado pelos motoristas e cobradores, mas negado pelas empresas. Outra negociação em juízo na tarde de sexta fez com a categoria e as empresas aceitassem um reajuste de 9,28%. Esse índice, com abono e aumento de cesta básica foi aceitado pelos motoristas e cobradores.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

- Jornalista brasileiro (DRT-Pr 7.294) e Consultor em Comunicação Política. - Editor do Blog Moeda Livre Economia Digital - Fundador e Editor do Jornal Diário de Piraquara (2008). - Editor do Blog Meandros da Política (2008-2016).
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s