Joice Hasselmann fora da RICTV…

O comunicado da jornalista Joice Hasselmann (transcrito abaixo na íntegra), informando o porque de não estar mais na RICTV, demonstra a seriedade da jornalista e coloca dúvidas sobre a seriedade e credibilidade do jornalismo da rede de TV que, sob "pressões advindas do além", decidiu por um "jornalismo" mais tranquilo.

Leia a nota de Joice Hasselmann:

Não faço mais parte da RICTV Record. Uma águia jamais será transformada em pato

Em respeito aos meus leitores, ouvintes e telespectadores, amigos, fontes, enfim, a todos que acompanham meu trabalho, comunico, oficialmente, que não tenho mais qualquer ligação com a RICTV Record. Através de um documento, enviado por cartório (veja abaixo o documento registrado no 3º Ofício de Títulos e Documentos) comuniquei o rompimento do contrato com a emissora. Eu vou explicar um pouco do bastidor dessa história.Assim que retornei de férias, em meados de janeiro, fui chamada para uma reunião com o então presidente da RIC no Paraná, Leonardo Petrelli. Ele, com todas as letras, me disse que nesse ano “especial” a RICTV Record havia optado por um outro tipo de jornalismo, mais “tranquilo”, ou seja, menos combativo, menos investigativo e que eu, nas palavras dele, era forte demais. Claro que eu, como colunista forte e independente nunca me encaixaria nesse tipo de jornalismo. Por tais razões fui afastada do ar, mesmo com meu contrato ainda em vigência. Perguntei claramente qual foi o acordo com a tropa de choque da política nativa já denunciada por essa colunista e que frequentemente tentava me pressionar através dos gestores pelo meu trabalho não só na TV como no meu blog e questionei quais denúncias influenciaram tal decisão “editorial” e disse ao presidente da RICTV Record algo que eu vivo diariamente e que move meu trabalho e minha postura profissional: “Eu sou águia e águia jamais será pato”.

Respeito e sempre respeitei a linha editorial de todos os veículos pelos quais passei e comandei, mas sempre defendi que “notícia é notícia”, que esquemas de corrupção, como por exemplo, são criminosos independente de qual governo ou partido protagonizem os fatos e com provas devem ser denunciados. É simples. Corrupção é corrupção independente de quem pratique, ilegalidade é ilegalidade independente da bandeira partidária. Sempre faço questão de obter o compromisso dos gestores dos grupos pelos quais passei de que esse lema será respeitado enquanto eu estiver em uma casa. Nem sempre a palavra vale quando os interesses maiores são outros além de fazer um bom jornalismo com credibilidade. Afrouxar o jornalismo num ano tão “especial”, leia-se eleitoral para mim como profissional seria vergonhoso. Não vou levar sobre mim essa vergonha.

Fico feliz, confesso um pouco orgulhosa, de durante esses quase dois anos ter trazido todas as semanas furos nas minhas colunas políticas veiculadas em todos os jornais da RICTV e em ter trazido os casos de maior repercussão que a emissora já teve envolvendo o jornalismo de verdade. Cito alguns para relembrar, como o caso do tráfico de crianças de São João do Triunfo, que rendeu uma CPI Nacional e movimentou todos os poderes. O próprio Joaquim Barbosa, presidente do STF, me recebeu para um reunião e determinou uma investigação paralela tamanha repercussão e uma nova lei de adoção internacional está sendo estudada. Ainda a reviravolta do Caso Tayná, até hoje um mistério para a polícia, e que teve outros caminhos depois que essa colunista divulgou um laudo, que seria sigiloso de que o sêmen encontrado na menina não era de nenhum dos 4 presos acusados de estupro e homicídio. O caso da antecipação de mortes no Hospital Evangélico em que todas as informações você acompanhou em primeira mão por essa jornalista; ou ainda a denúncia de devolução de dinheiro de assessores para vereadores, que tirou Algaci Túlio da vida pública. Fico feliz de ter trazido para o programa de entrevistas que eu comandava personagens de destaque nacional e que falaram com exclusividade comigo, como FHC, Marina Silva, Eduardo Campos, Aecio Neves, entre outros tantos e de ter comandado em 2012 o debate que rendeu a maior audiência que a RICTV Record já teve no horário quando Curitiba ficou acordada durante a madrugada para discutir a política e o futuro da cidade. Por tudo isso agradeço.

Saio de cabeça erguida, espinha ereta e coração tranquilo.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s