Requião e as clínicas para tratamento de usuários de droga – @requiaopmdb

req_gov_1-300x213O senador Roberto Requião (PMDB/PR) deu uma entrevista ao vivo nesta terça-feira (04) ao jornalista Márcio Miranda, âncora da rádio CBN de Curitiba.

Eles conversaram sobre as eleições deste ano e Requião voltou a dizer que a falta de um candidato próprio do PMDB ao governo do Paraná significa a reeleição certa de Beto Richa.

Perguntado se é pré-candidato ao governo, Requião disse que ainda tem mais cinco anos de mandato no Senado e tem feito um trabalho relevante em Brasília. Mas, está à disposição do partido.

“Se me chamarem eu vou. Me chamem que vou. Mas não vou fazer composições que não seriam as mais interessantes para o Paraná”, avisou.

Requião acredita que até mesmo a eleição dos deputados estaduais e federais vai ficar comprometida caso o partido não apresente candidatura própria ao governo.

“Não digo que eu seja o melhor ou pior candidato, mas tenho experiência. Fui governador três vezes. Mas tudo depende do partido. Se o partido não tiver candidatura própria nesta eleição acaba como acabou o PMDB de São Paulo”, afirmou.

Sobre a gestão de Beto Richa, o senador repetiu as críticas que tem feito à administração, que em menos de quatro anos conseguiu acumular uma dívida declarada de R$ 1,1 bilhão com fornecedores.

“O Estado está hoje totalmente destruído”, lamentou, lembrando que quando assumiu o governo pela segunda vez, em 2003, encontrou situação similar.

Caso seja candidato, Requião adiantou que vai dar prioridade à saúde pública, a exemplo do que fez em seus mandatos como governador.

Além de retomar o programa de construção e reforma de hospitais e a implantação das Clínicas de Saúde da Mulher e da Criança, o senador anunciou a criação de clínicas de tratamento de usuários de drogas para trabalhar em parceria projetos das igrejas e da sociedade civil.

Apoio – Na hipótese do PMDB não ter candidato próprio, Requião revelou que teria dificuldades em apoiar a senadora Gleisi Hoffmann, que também é cotada como possível candidata ao Governo do Paraná.

“Ela é minha amiga. Mas não gosto do que faz o marido dela”, disse referindo-se à atuação do ministro das Comunicações Paulo Bernardo.

Requião também citou alguns posicionamentos de Gleisi como ministra que o desagradaram, como o conflito com indígenas em prol de grandes ruralistas.

O senador também lamentou a troca de insultos entre Gleisi e Richa durante eventos públicos no último sábado (01).

“Foi uma briga provocada pela Gleisi para voltar a aparecer no Paraná. Lamentável. Não era espaço para retaliação”, avaliou.

Outra crítica de Requião foi sobre o afastamento do PT com o PMDB. Segundo ele, depois que o PT assumiu o Governo Federal, não manteve mais diálogo com os deputados peemedebistas do Paraná.

“O PMDB se afastou do PT no Paraná porque o PT se afastou do PMDB. E os deputados se agarraram ao governo estadual. Isto provocou um fosso”.

No entanto, o senador acredita que os deputados estaduais do PMDB que até então apoiavam a gestão de Richa, estão revendo suas posições.

“Eles conseguiram resultados diferente do que imaginavam apoiando Richa. Conseguiram dar apoio ao endividamento do Estado e ao aumento das tarifas de energia elétrica e água”, concluiu.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Brasil, Política, Requião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s