Coluna do Márcio Kieller: Começar o ano com os pés à esquerda!

marcio-kieller-coluna

O título do artigo que escrevo essa semana na minha coluna no Blog Meandros da Política é uma análise de conjuntura e também uma forma de dialogar discordando integralmente com o artigo: “IMPERATIVO MUDANÇAS”, do Senador Álvaro Dias que assim como eu, tem uma coluna semanal e escreve também ao Blog Meandros da Política. O texto nada além de ser bem escrito, onde acredito que o nobre senador, não faz nenhuma analise que se diferencie dos editorais de economia e política dos jornais tradicionais que arrotam o pessimismo e derrotismo das políticas do governo com relação à Economia!

Nesses veículos de comunicação tradicionais rádio, tevês, jornais que alias, inclusive, devem ser subsidiado em alguns momentos pelos institutos dos partidos de oposição e pelos próprios senadores e deputados federais do DEM e do PSDB. A perspectiva do que vai acontecer é muito mais ressaltada do que de fato acontece. Isso é que o observamos, pois o quadro que aparece são previsões pessimistas de que a economia vai mail, que o país vai à falência em breve, que a política caminha mal. Que o Brasil cresce, mas segundo eles, não cresce o que deveria; que o Brasil gera empregos, mas segundo eles, não gera os empregos que deveria; que o Brasil tem uma das maiores produções agrícola da história e diversificando com os produtos da Agricultura familiar, mas segundo eles, não é a produção agrícola que deveria; que o Brasil tem uma produção industrial em crescimento, mas segundo eles, não é a produção industrial que deveria.

Enfim, tudo é criticado por essa mídia marrom ligada aos grandes grupos industriais urbanos e dos grandes latifundiários rurais, ou seja, essas elites que foram desalojadas do governo e, agora desdenham de tudo o que acontece no Brasil no campo social, da política e da economia. Mas ninguém pensou que seria diferente, por que como diz o ditado, já usado por mim aqui nessa coluna, em outros artigos: “Narciso acha feio o que não é espelho.” E dessa opinião que comunga o Senador Álvaro Dias, pois traça um quadro catastrófico de um país que diferente da maioria dos países do mundo mantém um quadro de crescimento constante. Isso porque bom só era quando eles estavam no governo. Ai estava tudo ótimo!

Puro determinismo político da lógica, ou somos nós, ou ninguém arruma esse país! Não tem um pingo de humildade para reconhecer os avanços. Não precisa nem elogiar basta apenas reconhecer. Mas isso é pedir demais, pois eram eles os (Democratas e Tucanos) melhores do que o PT no governo. Mesmo que naquele período o Brasil não tinha autonomia, vivia na dependência dos resultados das economias das grandes potências econômicas. Mesmo que o Brasil naquele período, tendo poucos parceiros comerciais. Mesmo que o Brasil naquele período, não tenha gerado empregos como têm gerado. Mesmo que o Brasil naquele período vivia de monoculturas e do agronegócio de poucos produtos. Mesmo que o Brasil naquele período tenha crescido a baixos ou médios índices econômicos, mas como sociologicamente se constatava, sem distribuição de renda e sem geração de empregos.

Mesmo com aquele quadro econômico, medíocre da época, em termos de crescimento, de investimento nas áreas sociais, com baixos índices de desenvolvimento. Mesmo assim, o Brasil só era bom quando eles estavam lá e, por que eles estavam lá, no governo. Somente por isso! Sem isso, ou seja, sem eles lá, nada presta, tudo tem problema, tudo vai dar errado. Não podemos concordar com essas teses econômicas, fruto da vontade de grupos políticos e econômicos que torcem pelo para que tudo de errado! Pois esse pessimismo político todo tem endereço, as eleições de 2014, somente isso.

Não quero com isso dizer que esta tudo uma maravilha no Brasil. Não, não está. Pois o governo brasileiro, do ponto de vista político é um governo em constante disputa política. Pois, ainda muitos grupos, elites politicas, empresárias que exigem o retorno dos seus “investimentos, doações” sejam pagos com os cargos, as benesses e com proventos por parte do governo federal.

Mas o que ninguém pode negar que houve avanços consideráveis, que milhões de pessoas saíram da linha da pobreza absoluta e hoje estão incluídas, econômica e socialmente, que hoje tem a dignidade e podem se auto intitular seres humanos. Pois até um pouco mais de uma década para trás eram tratados, não como pessoas seres humanos, mas como miseráveis responsáveis pelas elites burguesas de nosso país, pelo grande caos social, que na verdade, tinha uma única e grande culpada, que é a ganância dessas elites que foram desalojadas das suas posições no governo, pelo lucro fácil e pela acumulação desenfreada, que por imposição necessitava de uma reserva de miseráveis para que pudessem fazer as exigências do mercado e manter suas altas taxas de rentabilidade!

Mas não há dúvida que o caráter e o viés político do governo mudaram! Mas, ainda assim, como descrevemos acima, existem os oportunistas de plantão que gravitam em todo do governo, querendo manter suas benesses calcadas na lógica do lucro fácil e da acumulação do capital, com seus contratos e a exigência das contrapartidas de suas doações eleitorais, e da manutenção seus amigos e dos seus prepostos em postos chaves das estruturas primária e secundária dos ministérios e do próprio governo!

Por isso defendemos que se acabe de uma vez por todas com as doações de empresas para campanhas políticas, por que não existe almoço de graça. Sempre quem doa algo quer algo em troca. Principalmente na política é para comprovar isso é só observarmos no site do TSE quem são os potenciais doadores das campanhas eleitorais, os veículos de comunicação, os bancos, os banqueiros, grandes empresas e os donos das grandes fortunas. Como dissemos, para que depois das eleições possam indicar os seus para cargos estratégicos e assim, manter os ciclos viciosos, baseados na lógica, do eu doei para a campanha, agora exijo os contratos, os cargos e os proventos dos que ganharam as eleições com nossas doações de campanha. Essa lógica empresarial é tão preserva, tão desumana e sem um mínimo de ideologia que os mesmos empresários, empresas e bancos fazem doações para um dois ou mais pretendes aos cargos executivos, como Candidatos a presidentes, governadores, senadores. E também investem em um sem números de candidatos a deputados federais e estaduais! Para que o que foi investido retorne, seja quem for que ganhe!

E uma das formas mais eficazes para afastar os oportunistas de plantão, afastar aqueles que não pensam no bem social, mas somente no seu benefício próprio e exclusivo é construir no sistema eleitoral brasileiro o financiamento público exclusivo de campanhas, seja através de fundo partidário, ou da criação de um fundo eleitoral para criar critérios de distribuição dos recursos desse fundo para que todos os elegíveis possam ter oportunidades iguais nos pleitos eleitorais e para que as eleições sejam definidas no debate de ideias políticas e ideológicas para melhorar cada vez mais a vida em sociedade, para incluir cada vez mais, para fazer daqueles que mais necessitam das políticas de governo e de Estado, cidadãos.

  A construção de outra cultura política é fundamental para que possamos quebrar a lógica egoísta demonstrada pelo Senador Álvaro dias em seu artigo, que se utiliza de um discurso sobre a economia que não é verdadeiro, pelo menos não é o que acontece, para criar a desconfiança com um único e exclusivo fim, a disputa eleitoral de 2014.

Mas o cenário é mesmo tão ruim assim? Gostaria de discordar totalmente do que pensa o Senador Álvaro Dias, mas não sem antes deixar registrado que defendo com intransigência o direito de dizê-lo, pois é o seu direito constitucional, mas isso não lhe dá o direito de conjecturar contra as ações que tem funcionado nos últimos 10 anos no Brasil. Pois se assim fosse não veríamos nos semblantes das pessoas o otimismo em relação à situação política e econômica do país! O nível de desemprego atingindo sendo os mais baixos níveis, ano após ano. A quantidade de investimento espalhados pelos quatro cantos do Brasil. E os Governos e os representantes dessas elites politicas desalojadas insistem em negar. A Educação melhorando fase a fase. Enfim, não existe para aquelas pessoas de bom senso como concordar com o discurso, ideológico, eleitoreiro, sem classe e desonestamente pessimista do Senador Álvaro Dias em seu artigo, e o coro que essa opinião ganha dos editorais dos veículos tradicionais de comunicação!

Por isso digo, com a maior tranquilidade, que se for nessa toada de desenvolvimento que venha 2014, para que comecemos o ano com os pés a Esquerda. Pois o que temos observado, num quadro comparativo entre as duas gestões políticas passadas é que os governos à esquerda tem mais compromisso social, tem mais fraternidade e solidariedade que os governos à direita que tivemos no Brasil. E por mais que se tente desqualificar os avanços e as conquistas do povo brasileiro. Temos um povo de bom senso, lutador e muito inteligente que não se acomodou somente o que conquistou, mas quer muito mais, que quer de fato ser tratado como cidadão, que quer de fato ter um estado forte e com políticas públicas voltadas para a maioria das pessoas que de fato precisam delas, sem nenhum tipo de descriminação e segregação de nenhuma espécie.

E por fim, não poderia terminar esse artigo, sem deixar registrado que desejo a todos os eleitores da minha coluna nesse estimado Blog Meandros da Política, os votos de um natal cheio de presenças queridas, muitos amigos e parentes por perto e também que os desejos de todos realizem-se! Feliz Natal e um ano vindouro e próspero de vitorias e conquistas. Com a certeza de que continuaremos nos encontrando por aqui no Blog Meandros da Política em 2014. Ainda no dia 31 de dezembro, volto para o último artigo do ano e para as felicitações e melhores felicitações de ano novo.

Marcio Kieller

Vice Presidente da CUT/PT e mestre em sociologia política pela UFPR

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Márcio Kieller, Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s