Lá funciona?

Ex-senador brasileiro foragido é preso em evento na Bolívia

Da Folha

O ex-senador Mário Calixto Filho foi detido na noite desta quarta feira (20) em Guayaramerín, cidade boliviana na fronteira com o Brasil. Calixto Filho era foragido da Justiça e participaria de reunião entre autoridades bolivianas e políticos brasileiros, entre eles o governador de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB).

A Guarda Nacional da Bolívia efetuou a prisão, a pedido do delegado da Polícia Federal em Guajará-Mirim (RO), Júlio Fujik.

Mário Calixto Filho estava foragido desde junho passado, quando deixou um hospital particular em Porto Velho, onde estava preso em tratamento de saúde. A fuga ocorreu quando ele soube que seria transferido para o presídio federal de Campo Grande (MS). Ele aproveitou que não estava sob escolta policial, pulou uma janela e jogou a tornozeleira que usava em uma rua próxima ao hospital.

O ex-suplente de senador foi condenado em 2011 pela Justiça de Rondônia a 11 anos e oito meses de prisão por formação de quadrilha e outros crimes. Segundo a acusação, ele participou de esquema de desvio de dinheiro da Assembleia Legislativa do Estado. Ainda cabe recurso.

Sérgio Lima-26.jan.04/Folhapress
Ex-senador Mário Calixto Filho é detido na cidade boliviana de Guayará Mirin
Ex-senador Mário Calixto Filho é detido na cidade boliviana de Guayaramerín

Também já havia sido condenado em 2009 pela Justiça Federal a sete anos e dez meses de prisão por contrabando. O caso foi investigado na operação Titanic, da PF, que desbaratou uma quadrilha que burlava o Fisco por meio do subfaturamento na importação de carros de luxo.

Ao ser preso, Calixto, segundo a PF, apresentou cópia de um documento que atestaria condição de refugiado político na Bolívia, mas a polícia não reconheceu o benefício.

O ex-senador está preso na cadeia pública de Guayaramerín e somente poderá ser transferido para o Brasil com autorização do governo da Bolívia. Calixto Filho é dono do jornal "Estadão do Norte" e exerceu mandato de senador pelo PMDB em 2004, quando Amir Lando (PMDB-RO), de quem era suplente, assumiu o Ministério da Previdência.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa do ex-senador. Em 2008, quando Calixto Filho foi preso na operação Titanic, um irmão dele, que é advogado, negou que o ex-senador tenha praticado tráfico de influência.

Anúncios

Sobre Rodini Netto

Jornalista de profissão, editor dos Blogs Meandros da Política (Brasil), Versão Brasileira (Europa). Diretor do Jornal Diário de Piraquara Consultor de Comunicação Digital
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s